quarta-feira, 28 de junho de 2017

CAPÍTULO XXVI / O AUTOR HESITA

       


Súbito ouço uma voz: — Olá, meu rapaz, isto não é vida! Era meu pai, que chegava com duas propostas na algibeira. Sentei-me no baú e recebi-o sem alvoroço. Ele esteve alguns instantes de pé, a olhar para mim; depois estendeu-me a mão com um gesto comovido:
— Meu filho, conforma-te com a vontade de Deus.
— Já me conformei, foi a minha resposta, e beijei-lhe a mão.
Não tinha almoçado; almoçamos juntos. Nenhum de nós aludiu ao triste motivo da minha reclusão. Uma só vez falamos nisso, de passagem, quando meu pai fez recair a conversa na Regência: foi então que aludiu à carta de pêsames que um dos Regentes lhe mandara. Trazia a carta consigo, já bastante amarrotada, talvez por havê-la lido a muitas outras pessoas. Creio haver dito que era de um dos Regentes. Leu-ma duas vezes.
— Já lhe fui agradecer este sinal de consideração, concluiu meu pai, e acho que deves ir também...
— Eu?
— Tu; é um homem notável, faz hoje as vezes de imperador. Demais trago comigo uma idéia, um projeto, ou... sim, digo-te tudo; trago dois projetos, um lugar de deputado e um casamento.
Meu pai disse isto com pausa, e não no mesmo tom, mas dando às palavras um jeito e disposição, cujo fim era cavá-las mais profundamente no meu espírito. A proposta, porém, desdizia tanto das minhas sensações últimas, que eu cheguei a não entendê-la bem. Meu pai não fraqueou e repetiu-a; encareceu o lugar e a noiva.
— Aceitas?
— Não entendo de política, disse eu depois de um instante; quanto à noiva... deixe-me viver como um urso, que sou.
— Mas os ursos casam-se, replicou ele.
— Pois traga-me uma ursa. Olhe, a Ursa-Maior...
Riu-se meu pai, e depois de rir, tornou a falar sério. Era-me necessária a carreira política, dizia ele, por vinte e tantas razões, que deduziu com singular volubilidade, ilustrando-as com exemplos de pessoas do nosso conhecimento. Quanto à noiva, bastava que eu a visse; se a visse, iria logo pedi-la ao pai, logo, sem demora de um dia. Experimentou assim a fascinação, depois a persuasão, depois a intimação; eu não dava resposta, afiava a ponta de um palito ou fazia bolas de miolo de pão, a sorrir ou a refletir; e, para tudo dizer, nem dócil nem rebelde à proposta. Sentia-me aturdido. Uma parte de mim mesmo dizia que sim, que uma esposa formosa e uma posição política eram bens dignos de apreço; outra dizia que não; e a morte de minha mãe me aparecia como um exemplo da fragilidade das coisas, das afeições, da família...
— Não vou daqui sem uma resposta definitiva, disse meu pai. De-fini-ti-va! repetiu, batendo as sílabas com o dedo.
Bebeu o último gole de café; repoltreou-se, e entrou a falar de tudo, do Senado, da Câmara, da Regência, da restauração, do Evaristo, de um coche que pretendia comprar, da nossa casa de Mata-cavalos... Eu deixava-me estar ao canto da mesa, a escrever desvairadamente num pedaço de papel, com uma ponta de lápis; traçava uma palavra, uma frase, um verso, um nariz, um triângulo, e repetia-os muitas vezes, sem ordem, ao acaso, assim:
arma virumque cano
A
Arma virumque cano
arma virumque cano
arma virumque
arma virumque cano
virumque
Maquinalmente tudo isto; e, não obstante, havia certa lógica, certa dedução; por exemplo, foi o virumque que me fez chegar ao nome do próprio poeta, por causa da primeira sílaba; ia a escrever virumque
— e sai-me Virgílio, então continuei:
Vir Virgílio
Virgílio Virgílio
Virgílio Virgílio
Meu pai, um pouco despeitado com aquela indiferença, ergueu-se, veio a mim, lançou os olhos ao papel...
— Virgílio! exclamou. És tu, meu rapaz; a tua noiva chama-se justamente Virgília.



Machado de Assis 
Machado de Assis



Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

Machado de Assis

       


Recomendamos para você:


Just Go #JustGo

Despacito Remix - Luis Fonsi Feat. Justin Bieber, Daddy Yankee

LETRAS DE MÚSICAS – SONG LYRICS

Despacito Remix - Tradução em Português - Luis Fonsi Feat. Justin Bieber, Daddy Yankee

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões

O Navio Negreiro - Castro Alves

O Navio Negreiro - Castro Alves

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Canção do exílio - Gonçalves Dias

Prédios mais altos do mundo

As festas populares em Santa Catarina

As festas populares no estado de São Paulo

As festas populares no estado do Paraná

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Atividades extrativistas de Santa Catarina

As atividades econômicas no estado de Santa Catarina

As atividades econômicas do estado de São Paulo

As atividades econômicas do Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas do estado do Paraná

Relevo do estado de Mato Grosso do Sul

O relevo do estado de São Paulo

Clima e relevo no estado de Santa Catarina

Clima e relevo do estado do Paraná

Biblia Sagrada - João Ferreira de Almeida

BÍBLIA ONLINE

O Diário de Anne Frank

Poesia

Poemas

Poetry

Sanderlei Silveira

Sanderlei Silveira

OLHOS DE RESSACA

História em 1 Minuto

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Song Lyrics - Letras Música - Tradução em Português

Snow Birds - Louis Honoré Fréchette

Twenty One Pilots - Stressed Out

Rockabye - Clean Bandit Featuring Sean Paul & Anne-Marie

Cronologia da Terra

Economia em 1 Minuto

by Sanderlei Silveira -  http://sanderlei.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário